quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Feliz Ano Novo! - Feliz Semeação!


FELIZ ANO NOVO! Feliz semeação!

E tudo aquilo que semearmos, certamente ceifaremos, pois Deus não se deixa escarnecer. Porque aquele que semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna, mas quem semeia na carne, ceifará corrupção. E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido. Então, enquanto temos tempo, façamos o bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé. Gálatas 6:7-10.



Este recurso pode ser usado para trabalhar a “lei da semeação” com os adolescentes. Uma das características da adolescência é a impulsividade, ensiná-los que somos responsáveis por aquilo que semeamos trazendo consequências não apenas nesta vida, mas para eternidade é de suma importância. Assim também o ensinamento de que não nos cansemos de praticar o bem, mesmo que aparentemente não recebamos nada em troca, façamos sem intenções escusas, sem barganha, sem publicidade, façamos porque temos a Deus e nEle esperamos. O bem não nos torna salvos, é consequência de quem é salvo na pessoa de Jesus Cristo. Fé e obras andam juntas. De que me adianta dizer que tenho fé, mas minha prática não demonstra a fé que anuncio?! Deus nos salvou em seu Filho para que praticássemos boas obras e assim o glorificássemos como nosso Pai (Mateus 5.16; Efésios 2.10). Aquilo que os filhos fazem repercute nos pais, e como filhos de Deus também, nossas ações devem glorificar a Ele e não envergonhar o seu precioso nome. Há muitos ensinos que você pode tratar usando essa caixinha para aplicar Gálatas 6, que trata da “lei da semeação”.

Para o recurso, usei uma caixa de fósforo grande, forrei com papel colorido e montei colando os desenhos e o texto bíblico. Você pode fazer uma discussão inicial com os adolescentes sobre o que eles acham da expressão “plantou, colheu”! Depois você usa a caixinha e trabalha Gálatas 6. 

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Percepção!

Percepções! 
Percepção é a capacidade de apreender por meio dos sentidos ou da mente aquilo que dá significado ao meio e assim, a consciência de alguma coisa ou pessoa. 


Isso certamente refletirá no comportamento, baseado em nossa interpretação a partir das percepções daquilo que nos acontece. Nem sempre essa interpretação é da realidade, mas na realidade que percebemos. 



O conhecimento pode alterar as percepções, e assim trazer outro olhar da realidade. A Palavra de Deus nos proporciona essa mudança de olhar e perspectivas, e assim novas posturas. 



A percepção correta nas lutas, ajuda-nos a tomar atitudes positivas, coerentes e nos faz identificar até mesmo os benefícios daquilo que poderia aparentemente não trazer nenhum bem, pelo contrário. 



Em Romanos 8.28 temos essa abordagem: “E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito". 



Deus pode gerar benefícios das aflições, provações e sofrimentos que nos sobrevêm. Ele leva a efeito a conformar-nos à imagem de Cristo e, finalmente à glorificação. 



No entanto, essa promessa é limitada aos que o amam e lhe são submissos mediante a fé em Jesus. O "todas as coisas" não dá margem à prática contínua do pecado e à negligência, o que ninguém deve propositadamente pecar justificando que Deus fará resultar em bênçãos. 



Há muitos mitos construídos a partir de percepções equivocadas, como : "o cristão é isento de sofrer"; "não mereço o sofrimento"; "é uma sina"; " tem sempre alguma culpa relacionada" etc. 



Muitas vezes não há sequer explicação para o sofrer, mas independentemente disso, Deus é soberano e tem o controle de tudo. Confiemos nEle! Como bem diz: " todas as coisas contribuem para o bem daqueles que o amam e foram chamados para seu propósito". 



Alguns exemplos sobre o exposto:

- Jó ( Jó 1.13-22; 19.1-20; 16.12). 
- Davi ( Salmo 25.16-19; 77).
- Paulo ( 2 Coríntios 12.7-10; Filipenses 1.12-21).
- José ( Gênesis 37.4, 10, 11; 50. 19, 20).
- Noemi ( Rute 1.20; 4.14; 2.20).
- Jonas ( Jonas 4.6).
Etc

Algumas contribuições daquilo que nos aflige:

- produzem perseverança e maturidade ( Tiago 1.3, 4);
- dá-nos a capacidade de consolar outros ( 2 Coríntios 1.4);
- real intimidade e conhecimento de Deus e de si mesmo ( Jó 42.1-6; 10. 12,13);
- benefícios ao ministério e à obra de Deus ( Filipenses 1.12-21);
- molda o caráter, aperfeiçoando-nos ( 1 Pedro 5.10; Romanos 5.3; Tiago 1.12);
- manter-nos dependentes de Deus e protegidos da soberba ( 2 Coríntios 12.7-10);
- muda nossos valores fúteis e egoístas para valores eternos ( Jonas 4. 6-11);
- provar a fé e redundar em louvor a Deus ( 1 Pedro 1.6,7);
- fruto pacífico de justiça ( Hebreus 12.11);
- eterno peso de glória ( 2 Coríntios 4.7).
Etc

Atitudes positivas à partir de sábias percepções do que nos acontece:

 Moderação (principalmente no falar)
 Oração e leitura da Palavra de Deus 
 Aquietar-se esperando em Deus (lidar corretamente com a ansiedade)
 Refletir e buscar sabedoria no Senhor 
 O fruto do Espírito Santo 

Percepções sábias também são resultados de maturidade, "crescer dói", mas Deus dá graça e produz contribuições significativas daquilo que nos sobrevêm, até mesmo o mal, conforme seu propósito em cada um de seus filhos. 


APLICAÇÃO:

Ü Qual a sua percepção a respeito do que lhe tem acontecido?
Ü Como tem lidado com os problemas e adversidades da vida?
Ü Sua fé tem sido fortalecida através das experiências que você tem vivido, ou tem se enfraquecido e se distanciado de Deus por isso?

Ü Leia e releia essas notas, leia e medite sobre as referências bíblicas anotadas aqui e veja o que é possível aplicar em sua vida para que haja uma nova perspectiva em relação aos dias nada fáceis.

Ü Ore a Deus por sabedoria, graça e fé para compreender seus propósitos acima de quaisquer coisas que lhe aconteçam.

Ü Aplique esse ensino no seu dia a dia.





sábado, 10 de dezembro de 2016

Atividade de Estudo para o Grupo: AS PERSPECTIVAS SOBRE O SOFRIMENTO - OS DIÁLOGOS ENTRE JÓ E SEUS AMIGOS.

AS PERSPECTIVAS SOBRE O SOFRIMENTO - OS DIÁLOGOS ENTRE JÓ E SEUS AMIGOS.

Neste final de semana tivemos a abertura da série do livro de Jó com o primeiro ciclo: os dilemas de Jó. No próximo encontro começaremos o segundo ciclo do livro: Os diálogos entre Jó e seus amigos! Para isso decidimos fazer um debate, dividimos em cinco grupos (os amigos + Jó).

Vejam as orientações abaixo sobre os debates conforme os grupos.

Objetivos: Compreender o sofrimento sob três olhares: de Deus - das pessoas - daquele que sofre.

Roteiro:

Os amigos de Jó (grupos de no máximo 4 pessoas):

Elifaz - Jó 4,5,15, 22.
Bildade - Jó 8, 18, 25.
Zofar - Jó 11, 20.
Eliú - Jó 32-37.

O que eles devem procurar sobre cada amigo:

A - Quem eram eles.

1) Identificar a argumentação de cada um dos amigos sobre a razão do sofrimento de Jó (Por que Jó estava sofrendo, segundo eles?);

2) Cada um deles também deu conselhos a Jó, destaque os conselhos que eles deram;

B - Agora quem for representar Jó (pode ser uma dupla ou quarteto):

1) Qual a resposta que Jó deu a cada um deles? (Como ele argumentou e lidou com os conselhos dos amigos)

C - Você encerra com o debate entre Deus e Jó (caps 38-41).
      Dica: Fazer um quadro com os pontos de debate que Jó tem com Deus, assim os adolescentes visualizarão melhor na sua explanação. 

D - Papo final sobre as discussões e análise do sofrimento nas três perspectivas envolvidas.

SUGESTÕES:

üApresentar um “gibi bíblico de parede” com o primeiro ciclo: sobre os dilemas de Jó para recapitular e destacar pontos importantes que os adolescentes também tiveram nas suas leituras;

üFazer um quebra-gelo antes do debate, por exemplo: sobre resistência, sobre como lidar com os problemas ou simplesmente para integrá-los e comunhão.

http://ministerio-c-adolescentes.blogspot.com.br/

domingo, 4 de dezembro de 2016

Meus devocionais do livro de Jó - 1ª Semana

1ª SEMANA:

Quem sempre sabe os motivos de nossos sofrimentos? De muitos deles jamais saberemos. Neste capítulo (Jó 1) vemos que o mais importante não são as razões do que aconteceu a Jó, mas a sua confiança e fidelidade no Deus soberano, apesar de tudo. Bendito seja o nome do SENHOR, sempre. Nesse mês de dezembro/16 começo minhas reflexões sobre o livro de Jó e compartilharei com vocês um pouco dos meus devocionais.  Vamos?! :)


Hoje começo a parte dos diálogos entre Jó e seus amigos. Penso que encerrarei este ano ainda estudando este maravilhoso livro e quem sabe se prolongue mais um pouco... ressalto aqui a palavra-chave desta semana: Compaixão. Era sobre isso que Jó contestava Elifaz. Mesmo que Jó tivesse abandonado a Deus ( o que não foi seu caso), não deveria mesmo assim os amigos demonstrarem compaixão? Infelizmente o que ocorre são contínuas acusações; não diferente do que passou Jó, como os amigos de hoje lidam diante dos sofrimentos uns dos outros?! O que é compaixão em sua prática e como a temos exercitado para com os outros? 



Uma das qualidades que Deus destaca em Jó é o Temor (Jó 1.8). Temer a Deus traz ao homem muitas promessas divinas. Aquele que teme ao Senhor bem será (1 Samuel 12.14), Deus lhe direcionará às melhores escolhas (Salmo 25.12), terá a bondade do Senhor (Salmo 31.19), obterá luz e direção nas horas de trevas (Isaías 50.10), a misericórdia de Deus acompanhará as suas gerações (Lucas 1.50), aquele que teme ao Senhor será agradável a Ele (Atos 10.35). Bem-aventurado aquele que teme ao Senhor e anda nos seus caminhos! (Salmo 128.1). 


O CUIDADO DE DEUS NOS GUARDA NO SOFRIMENTO! 

Eh, aquele momento em que diante do sofrimento a alma está entediada, as queixas são inevitáveis e a amargura torna-se o sabor da vida. Jó no capítulo 10 trata bem disso. Ele começa a afundar em sua auto piedade, sua dor leva-o a sentir pena de si mesmo. Nessa circunstância estamos a um passo de uma "superioridade moral", quando contabilizamos as prováveis injustiças que sofremos: "Veja como estou, o que aconteceu comigo...". Sim, há aquele risco de "culpar" a Deus, mas é hora de recordar que as provações da vida - quer permitidas ou enviadas por Ele - podem ser um caminho para um refinamento e desenvolvimento. Sendo assim, melhor não perguntar sobre "quem me fez isso". Mas "o que posso aprender, e como cresço nessa situação que me encontro". Ao começar a ler o capítulo 10, como percebi as perturbações de alma sofridas por Jó, mas ao me deparar com os versículos 12 e 13, um sorriso sutil me veio, como alguém que já imaginava a atitude sensata de Jó: ele sabe que embora Deus oculte dele as razões de tanto sofrimento, Deus está cuidando dele, guardando o seu espírito! Ele bem sabe que o SENHOR está presente, sempre. Estou empolgada com esse capítulo hoje! Sabe, quem pode julgar as queixas e tédio daquele que sofre? Ele apenas não deve deter-se em sua autocomiseração, não tomar conclusões precipitadas a respeito do que quer que seja, mas compreender que Deus conhece todos as coisas e cuida de tudo para o nosso melhor. Louvado seja Deus por sua Palavra que me consola e ensina. Amo!😍 



Jó,
Pouco importa o teu rosto, 
O que ressaltam são tuas dores, 
Quantos julgamentos postos,
Para explicar teus dissabores.

Tua luta teve início, 
Onde humanos não podem ver,
No entanto eles querem, 
Prontamente descrever.

Cada um tem argumentos, 
Será, por que e para quê, 
Não sabendo que provado, 
Por Deus tu havias de ser.

Por que nasci? Perguntas,
Para que viver assim? Indagas,
Mal sabias que o sofrer, 
Mudaria tua jornada.

Íntegro e temente,
Deus a ti se mostrou,
Pois embora padecendo,
Jamais de Deus blasfemou.

Reconheceu que muito falava,
Daquilo que não conhecia,
Pois antes de Deus só sabia,
Apenas do que sobre ele se dizia.

Agora é diferente,
Seus planos certos são, 
Pois Deus jamais tem frustrado,
Do que planeja então.

Sua intimidade com Deus,
Era bem mais preciosa,
Que todo o restituído,
Mais que uma simples prosa.

Agora seus olhos o veem,
Pois, Deus amigo lhe é íntimo,
Intimidade tão plena,
Que antes saber só de ouvido.

Orando por seus amigos,
Perdoou ao tudo vivido,
Vencendo não apenas a si mesmo,
Mas principalmente ao vil inimigo.

Deus me deu,
(Disse ele)
Deus me tomou,
Vim do pó, 
E ao pó vou,
Para sempre seja,
Louvado o nome do SENHOR!
(Janaina Costa. Estes são alguns dos meus rabiscos na madrugada sobre os devocionais do livro de Jó, em 4/12/16). Amando muito essa experiência!https://www.facebook.com/images/emoji.php/v6/f68/1/16/1f495.png💕https://www.facebook.com/images/emoji.php/v6/f19/1/16/1f49f.png💟https://www.facebook.com/images/emoji.php/v6/f94/1/16/1f49a.png💚
www.ministerio-c-adolescentes.blogspot.com

Ponto de Reflexão: Sê Sóbrio!


SÊ SÓBRIO! 
Você já se perguntou: "Por que estou agindo assim se sei que é o errado"?!
Diante das tentações ou situações em que estejas focado a agir de um modo incoerente com a Palavra de Deus, esforça-te para sair da "zona de emoção" que te envolve. Às vezes basta que se retire da "fonte de atração" e busque a sobriedade na Palavra de Deus. (Sim, a Palavra de Deus nos traz sobriedade e juízo!). Situações assim estão ligadas a uma questão de foco e à real compreensão da pertinência e razões do que nos fazem buscar algo ou alguém que não faz parte dos planos de Deus para nossa vida. - Sê sóbrio! - Este é o conselho bíblico para evitar males e angústias desnecessárias que aparentam amor, prazer, acolhimento, aceitação ou qualquer necessidade que carece ser preenchida, até aquelas inconscientes.

Mas o que é ser sóbrio?
A sobriedade mental e espiritual incluem conceitos como estabilidade, domínio próprio, clareza e determinação moral. O cristão sóbrio é responsável de modo coerente por suas propriedades mentais, emocionais e espirituais, e não se deixa “embriagar” pelas distrações do mundo, influências humanas e inclinações carnais.
Existem muitos auxílios bíblicos a respeito da sobriedade, separei alguns para vocês refletirem (veja a imagem), estudem esses versículos, discutam com seus pais e amigos. Identifiquem neles os fatores que nos levam a uma vida sóbria e as ações para buscarmos essa sobriedade em Deus. Exercitem. A sobriedade é essencial para vida do cristão! Como adolescentes vocês também podem ser conscientes de suas emoções e escolhas, mesmo que tentados e inclinados às paixões e desejos, ou pressionados a cederem aos apelos das amizades, como ocorre com qualquer humano, não precisam ceder, nem serem levados pelo curso deste mundo e inclinações carnais, como outrora andávamos quando ignorantes de Deus, pois hoje são novas vidas em Cristo. (Efésios 2.1-10). 
Mas o que é ser sóbrio?
A sobriedade mental e espiritual incluem conceitos como estabilidade, domínio próprio, clareza e determinação moral. O cristão sóbrio é responsável de modo coerente por suas propriedades mentais, emocionais e espirituais, e não se deixa “embriagar” pelas distrações do mundo, influências humanas e inclinações carnais.
Existem muitos auxílios bíblicos a respeito da sobriedade, separei alguns para vocês refletirem, veja o quadro abaixo, salve em seu computador ou celular e estude esses versículos, discuta com seus pais e amigos. Identifique neles os fatores que nos levam a uma vida sóbria e as ações para buscarmos essa sobriedade em Deus. Exercite. A sobriedade é essencial para vida do cristão! Como adolescentes vocês também podem ser conscientes de suas emoções e escolhas, mesmo que tentados e inclinados às paixões e desejos, ou pressionados a cederem aos apelos das amizades, como ocorre com qualquer humano, não precisam ceder, nem serem levados pelo curso deste mundo e inclinações carnais, como outrora andávamos quando ignorantes de Deus, pois hoje sois novas vidas em Cristo. (Efésios 2.1-10).
Mas o que é ser sóbrio?
A sobriedade mental e espiritual incluem conceitos como estabilidade, domínio próprio, clareza e determinação moral. O cristão sóbrio é responsável de modo coerente por suas propriedades mentais, emocionais e espirituais, e não se deixa “embriagar” pelas distrações do mundo, influências humanas e inclinações carnais.
Existem muitos auxílios bíblicos a respeito da sobriedade, separei alguns para vocês refletirem, veja o quadro abaixo, salve em seu computador ou celular e estude esses versículos, discuta com seus pais e amigos. Identifique neles os fatores que nos levam a uma vida sóbria e as ações para buscarmos essa sobriedade em Deus. Exercite. A sobriedade é essencial para vida do cristão! Como adolescentes vocês também podem ser conscientes de suas emoções e escolhas, mesmo que tentados e inclinados às paixões e desejos, ou pressionados a cederem aos apelos das amizades, como ocorre com qualquer humano, não precisam ceder, nem serem levados pelo curso deste mundo e inclinações carnais, como outrora andávamos quando ignorantes de Deus, pois hoje sois novas vidas em Cristo. (Efésios 2.1-10). http://ministerio-c-adolescentes.blogspot.com.br/